27 de maio de 2011

O enterro dos fantasmas...



Aquelas manhãs ouvindo a Rádio Novo e Velho Aeon no ônibus estavam acabando com ela. Nem pelo ônibus, mas porque a cada música um fantasma se levantava para tentar mais uma DR, mais um beijo, mais uma assombração. Ela cansou. Telefonou para o trabalho alegando doença, ligou o som e esperou.
Tocou Legião Urbana e ele chegou ainda nos primeiros acordes, com os cabelos longos e negros, olhos negros e tristes, chantagistas e condenadores.
Se acusaram em silêncio.
Renato Russo pegou o violão para Angra dos Reis e ela disse que não. Que não, que tudo menos isto. Nada sobre não só sentir saudades (sempre algo mais) ou seu coração perfeito batendo à toa (isso dói). Renato cantou 20, vinte e nove, ela deu um sorriso amarelo com o canto da boca, conversaram e ele tentou abraçá-la enquanto ela prendia a respiração para nunca mais sentir o cheiro dele – melhor evitar.
Se despediram para nunca mais com Hoje não dá.

Tocou I Love You Baby (Can't take my eyes off of you…): o fantasma mais vivo, mais fantasma. Ele tentou argumentar, mas ela teve a certeza de que ele morreria (mais e novamente) logo, logo...

Começou Lobão e ela o chamou
- Eu? Porque eu com Lobão?
Sei lá, ela disse. Sempre lembro de ti. Desde o dia em q tu me deu aquele beijo, com meio metro de língua e saiu desconsertado me pedindo desculpas, sempre lembro. Principalmente aquela você está me convidando, menina quer brincar de amar.
- Mas tu nunca me convidou!
- Será q é pq eu tinha 14 anos e tu 25?
- ...
E corações psicodélicos também (ainda me lembro daquele beijo, spank punk violento
iluminando o céu cinzento, eu quero você inteira
). Queria tanto que tu quisesse...
- Eu sei, benzinho
-Mas não rola, né? Eu sei...
E ele se foi...

Com Cramberries ela nem se levantou e ele teve o descaramento de aparecer, jurando que ainda era fantasma...

Ela ficou lá, sentadinha ao lado do Zeca Baleiro quando ele chegou já no final da música, com os olhos chapadíssimos cantando sempre que te vejo assim, linda, nua e um pouco nervosa enquanto Zeca cantava Bola Dividida e ela o olhou surpresa:
- Tá fazendo que aqui??
- Vim mandar essa cambada embora.
A abraçava repetindo minha, minha, minha, minha...
Chamou Tom Jobim pra cantar Minha Namorada (não que ele soubesse a letra...).


5 comentários:

Clarence Santos disse...

Muuuito bom,
continho bonitão (queria dizer bonito, pq parecia mais exato, mas depois fiquei achando que pudesse parecer muito pouco, dai o "ão")
... Perfeito!

Ellis disse...

é bom saber que vc retornou =)
e retornou muito bem, adorei!

ps:aumenta um pouco a letra no próximo post hehe

xero Potyra!

Sombrio Tem História disse...

Lindo demais! Louco demais! Eu nunca escreveria tão belo assim e tão exato!

Anderson disse...

Muito bão. O melhor até então. Temos um novo recorde!
E demorei pra ver isso...

Anônimo disse...

Trilha sonora pra desenterrar fantasmas...
Basta que ela surja de qualquer maneira: descabelada, num salto imponente, moda praia. Sua presença já é mais que suficiente pra que ele, tolo ouça naquele radinho de pilha que só ele sabe onde encontrar “o que há dentro do meu coração eu tenho guardado pra te dar...”
Enquanto carros miram pedestres, que perguntam pelas horas em busca de uma resposta que não seja a pura e simples 17:05...Ela olha-o mas o vê...”você dois pra lá e eu dois pra cá é a dança da nossa paixão”...isso quando havia paixão, pondera ela, corrigindo, para o pretérito, o tempo do verbo.
E tem sido assim por décadas: ele apaixonado e incompreendido. Ela entre a indiferença e o descompasso. Para ele pouco ou quase nada mais importa “ e a razão porque vivo esses dias banais é porque ando triste, ando triste demais...” cantarola Tom.
Continua...